10 dicas úteis para músicos que atuam em performances ao vivo

tecladaovivoOlá amigos,

Há uma infinidade de pequenos truques e dicas que podem ser muito úteis para músicos que atuam em performances ao vivo.  Além de “jamais brigar com o técnico de som”, selecionei 10 dicas vitais que eu aprendi nos palcos, e que certamente, poderão ser valiosas para tecladistas que tocam ao vivo. Espero que gostem.

1. Use uma estante de teclados adequada. Se possui teclados pesados, utilize uma estante Dupla em X. Embora sejam um pouco mais caras, os teclados ficarão mais estáveis e fáceis de tocar, e o risco de acidentes e quedas diminui bastante.

2. Cuidado com a energia. Procure ligar seus teclados em um estabilizador de energia. Não confunda estabilizador com filtro de linha. O filtro de linha é mais barato, e além de criar extensões, irá apenas minimizar o efeito dos “ruídos” (sinal elétrico aleatório, que pode interferir em circuitos eletrônicos), que eventualmente podem aparecer na rede elétrica, e, se ocorrer alguma alteração grande na corrente, o fusível do aparelho irá se rompe impedindo que a descarga alcance os teclados. O estabilizador é um pouco mais caro e seguro, pois serve para manter a tensão da rede de energia dentro dos limites de 110/127v ou 220v, com pequenas margens de variação. A maioria dos estabilizadores já possuem também um filtro de linha integrado.

3. Apenas leve os teclados que você realmente precisa. Sim, eu concordo que é divertido e legal ter uma tonelada de teclados no palco com você, mas isso sempre aumenta os riscos de acidentes também. Evite levar teclados analógicos antigos, pois eles podem morrer a qualquer momento. Procure uma alternativa moderna mais confiável. Também é preciso dizer que os sintetizadores modulares analógicos não são nada práticos ao vivo, pois além de instáveis, não possuem presets de memória.
4. Faça backup de seus patches em um disco externo ou pendrive. Se algum problema acontecer e você perder a memória, é sempre útil ter seus patches salvos em outro lugar fora do teclado. Na verdade, recomendo que você faça isso mesmo se não tocar ao vivo.
5. Se você possui mais de um teclado, pesquise alternativas para seus patches em todos eles. Em caso de defeito em um deles, você terá que continuar o show com o que sobrou. Os tecladistas mais preparados sempre fazem isso, não só para poder salvar a pele em uma situação complicada no palco, mas para também aprimorar a sua prática de programação!
6. Utilize cabos de qualidade e traga sempre alguns sobressalentes de backup. Isso se aplica a praticamente todos os músicos que tocam instrumentos eletrônicos, mas especialmente para os tecladistas. Contamos com os cabos para levar nosso som para os ouvidos do público. Se você tiver em um orçamento apertado, não precisa levar cópias de todos os cabos, mas pelo menos, levar alguns cabos de áudio 6,35 milímetros de reposição.

7. Considere o seu monitoramento in-ear. Não há nada pior do que não ser capaz de ouvir a si mesmo (ou o resto de sua banda) quando tocar ao vivo. Vá preparado. Será que os monitores de palco serão realmente bons o suficiente para você? Se não, considere o uso de fones de ouvido para ouvir a si mesmo de forma clara, ou até mesmo converter toda a sua banda para usar algo como os acessíveis sistemas In Ear da Sennheiser.

8. Leve um sub-mixer para seus teclados. Se você estiver usando mais do que um ou dois sintetizadores, é uma excelente ideia ter o seu próprio mixer para eles. Além de ser uma maneira fácil de misturar todas as suas saídas de teclados juntos, também evita cabos espalhados, e permite controlar os níveis de volume de seus teclados. Se você irá tocar apenas com um teclado, leve ao menos um “direct box estéreo” com você. Além de prevenir o aparecimento do indesejável “hum”, o técnico de som nunca poderá te dizer que não há suficiente DIs para você mandar o som estéreo.
9. Cuidado com os níveis de volume. O engenheiro de som odeia níveis muito fortes ou muito baixos. Diferentes teclados possuem diferentes mandadas de som, mas em geral, recomendo sempre manter o volume mestre de seus teclados mais ou menos na metade. Isso permitirá uma mandada do som natural do som de seus teclados, e os técnicos de som terão o volume adequado para enviá-lo ao PA. Se estiver usando um sub-mixer , vale a mesma regra para os teclados, e para a mandada do mixer, ajuste o master output para um nível médio de sinal de saída próximo ao 0 dB (normalmente o último LED verde do medidor). Nunca deixe os níveis ultrapassarem o vermelho.
10. Esta talvez seja a dica mais importante de todas desta lista. Nunca, jamais, e em nenhuma circunstância, brigue ou discuta com o técnico de som. Isso é LEI. Lembre-se, o cara do som é o que chega mais cedo cedo e vai embora mais tarde, tem mais equipamentos para cuidar do que a banda inteira, recebe menos, e talvez, se veja obrigado a ouvir atentamente músicas que não são do seu gosto pessoal. Esse cara tem total poder para acabar com o seu som se ele quiser. Trate bem dele… Conselho de tecladista!
abs


Siga minhas páginas nas redes sociais
FacebooktwitterpinterestlinkedinrssyoutubetumblrmailFacebooktwitterpinterestlinkedinrssyoutubetumblrmailby feather

Deixe um comentário